domingo, 8 de julho de 2012

A ordem implacável das coisas

Depois da experiência da ida à praia sozinho, aventurei-me na ida ao cinema sozinho. Estou a quatro gatos de distância de me afastar de vez da sociedade.

8 comentários:

São João disse...

Primeiro estranha-se depois entranha-se. Hoje em dia gosto mais de ir ao cinema sozinha do que acompanhada. Tirando aquela parte em que, estando a sala vazia, há um velho de braguilha aberta que decide sentar-se ao meu lado. Mas é só mudar de cadeira e pronto.

Uena disse...

ahah
eu já devo ter uma manada de gatos.
adoro fazer coisas sozinha :P

Hipster Luke disse...

São João, isso é coisa para traumatizar.

Uena, é por coisas destas que as mulheres são fascinantes.

Maria Contentor disse...

Ri-me.

E admiro-te, porque eu tenho uma dificuldade imensa em fazer programas sozinha. Começando pelas refeições - detesto.

Hipster Luke disse...

Eu refeições sozinho curiosamente não me custa, nas raras ocasiões em que tenho de fazê-lo geralmente levo um livro e passa-se bem.

Maria Contentor disse...

Sim, ajuda. Quando não me esqueço do livro que ando a ler no meio dos lençóis.

Mas continuo a culpar esse meu complexo das vezes em que opto pela fast-food. Pelo menos, a coisa passa depressa. E não me sinto tão culpada por ceder ao capricho da hipercaloria.

A minha psic ia adorar ler isto.

Mam'Zelle Moustache disse...

Pois que eu já fui ao cinema sozinha uma data de vezes e gosto muito. Agora gatos, nem vê-los!

Hipster Luke disse...

Maria, sim, a fast-food é perigosamente tentadora nesses casos.

Mam'zelle, os gatos são fixes. Pelo menos é o que dizem.