quarta-feira, 18 de julho de 2012

We Die Young


Sendo-se ou não fã do Mantorras, é impossível ignorar que, de cada vez que ele se preparava para entrar em campo, o delírio se instalava e, no fundo, é isto que o futebol tem de espectacular. Não são as guerras entre clubes, são os momentos de êxtase quando marcamos golos e quando vemos a equipa abraçada, quando está um estádio inteiro de pé a aplaudir, a cantar ou a gritar de felicidade. Quando a descarga de adrenalina é tão grande que sentimos os pêlos eriçados e os olhos embaciados.
Ainda me lembro do Preud'Homme a dar a volta de despedida no antigo estádio. Do Rui Costa no meio do relvado a despedir-se emocionado. Hoje é a vez do Mantorras, portanto, como dizia o outro, deixem-no jogar (pela última vez).

1 comentário:

Toni dos bifes disse...

Por favor, precisámos do Mantorras!
E, sinceramente, acho que isto vai ser bom para a equipa que vão finalmente ver o que é o espírito da Luz e vão querer ser queridos para os adeptos.